NARCISO DE ÉBANO

Osvaldão foi menor abandonado, adolescente fugitivo da Febem, e agora, passados os seus trinta anos de idade, tornara-se um homem desempregado e sem perspectivas. Um cidadão exemplar do terceiro mundo. Sem que disso tivesse consciência, Osvaldão era a estatística mais bem-acabada do capitalismo globalizado e dos excluídos pelo neoliberalismo. E, além disso, negro.
Osvaldão carregou sempre o estigma de viver numa sociedade morena sem preconceitos de raça e de doce miscigenação. Seu único orgulho, adquirido em meio a mitos e tabus de uma forçada promiscuidade pela sobrevivência, era o membro viril que carregava sob as calças rotas de algodão. Troféu de pouco uso, dada a sua condição social, mas manuseado a saciedade. Já fora procurado por homens e mulheres que tinham ouvido falar do instrumento. Alguns, por curiosidade; outros, pelo desejo de consumo. Era o único capital que dispunha Osvaldão.
Tratava o membro da melhor maneira possível, venerava-o quase. Costumava exibi-lo nos finais de tarde junto às paredes da catedral da Sé, sem preocupações, sem malícias, com carinho. Empinando-o, como a um cabo de um látego de ébano, vendia seu produto como qualquer outro ambulante da região.
capaovidentedarua46
ALMADA, Izaias. O vidente da Rua 46: contos eróticos. Editora Mania de Livro. SP, 2001. p. 23.
14-08-07_izac3adas-almada_rodrigueanos
Um santuário de reacionarismo e conservadorismo num país que deve boa parte da sua formação cultural à má distribuição das terras, a uma selvagem escravidão de trezentos anos e um sincretismo religioso dos mais esdrúxulos. Izaías Almada
Quem lê melhora o mundo. Leia e deixe um livro em algum lugar público.

Postagens mais visitadas