RECEITA CONTRA A DEPRESSÃO

» Cedo ou tarde, a vida desanda. Dia desses, você se queixava de que a vida está, sem meias palavras, uma merda: vai mal nos estudos, vai mal no namoro, vai mal na família. Caos.
Pior: as coisas que dão errado têm o mau hábito de se agruparem logo à frente, na curva do caminho, fora da vista imediata. Os pequenos demônios do dia a dia são ridículos e fracos, mas sabem disso. Então, andam em bando.
Quando o vigésimo problema insignificante dá as mãos para a vigésima primeira bobagem cotidiana, você explode.
Com o rosto inchado, volta-se a mim em busca de solução. Uma solução, enfim, para a vida. Uma estrela que guie até o porto mágico dos sonhos de menina: queria ser tanta coisa, antes de crescer, e agora só quer sobreviver e se lamentar por conta de tudo o que não foi.
Então, sem dó, mas com ternura, eu digo: esqueça os seus planos, menina.Enterre os ideais. Vem viver a vida no presente, no tempo presente, dos homens presentes, de mãos dadas! Prestar atenção nas alegrias do dia a dia, mesmo as mínimas, e batizá-las, conhecer seu nome e causa. Então, a felicidade.
E você ri: que felicidades?, que alegrias? Meu dia é dor após dor, sofrer após sofrer.
Mas ostra feliz não faz pérola, menina, e a solução que trazemos é trágica: fazer da dor algo belo, da angústia a reflexão, do fracasso a nova perspectiva, do muro o apoio ou pináculo da vida. 
Olha o mundo. Depois, garota, esquece o que está fora dele. Está fora do mundo o ontem, o ano passado. Está fora do mundo o amanhã possível, o sonho imaginado. Pare de comparar a vida que é à vida que poderia: o futuro é a negação do presente. Só o que existe agora, existe.
E tantas coisas maravilhosas, ainda que doam, que muito doam demais, existem agora.
O conhecimento, por exemplo, é uma alegria doída – a cada dia saber um pouquinho mais.
Mesmo o saber da catástrofe é belo. « RENATO ESSENFELDER

Postagens mais visitadas