BAOBÁ

A árvore é um dos símbolos fundamentais das culturas africanas tradicionais. Na Cosmogonia Yorubá, cultura da atual Nigéria,  na época em que o homem adorava árvores, o baobá surge como o princípio da conexão entre o mundo sobrenatural e o mundo material. Serravalle na África do Sul
O baobá é uma árvore perene, nativa da África, que produz flores brancas e frutos utilizados medicinalmente, sua cortiça possui composto medicinal para combater a epilepsia. Como plantar um baobá a partir de uma semente – Rachel Turner
O Recife não é muito arborizado, árvore ameaçada de extinção, foram sendo informalmente adotados, plantados, suas mudas cultivadas e alguns dos defensores dessas grandes árvores, de tronco largo e casca sensível não titubeiam em dizer: Recife é a cidade dos baobás. Oranyan
O primeiro a identificar essa relação dos moradores da cidade com os baobás foi o antropólogo jamaicano John Rashford, professor da North Carolina University, em passagem pelo Brasil justamente para estudar a árvore – natural do continente africano, mas presente em vários países americanos. Celso Calheiros
Originário da África, o baobá é uma das maiores e mais antigas árvores do mundo, chegando a alcançar, quando adulto, de 5 a 25 m de altura e de 7 a 11 m de diâmetro no tronco. Essa planta é milenar e pode viver até 6000 anos, existem oito espécies de Baobás: seis nativas de Madagascar, uma da Austrália e uma do Senegal. Giuliana Flores

LENDAS DO BAOBÁ

Dizem que, no momento da criação, Deus presenteou todos os animais com a semente de uma árvore. O babuíno, um macaco conhecido por sua preguiça, recebeu as sementes de baobá e, ao invés de plantá-las, simplesmente as jogou na terra. As sementes teriam brotado de ponta-cabeça, deixando as raízes da árvore à mostra e sua copa enterrada. Algumas tribos africanas atribuem a aparência da árvore a esta incrível lenda.
Conta a lenda africana que, após ter colocado o baobá sobre a terra, o Criador continuou o seu trabalho, e a árvore o vigiava em tudo e dizia: “Isso não vai funcionar”. “Aquilo não está bem”, dando opinião sobre todas as espécies que eram criadas. Certo dia, o Criador cansou-se de ser contrariado pelo baobá, tomou-o nas mãos, plantou-o com as raízes para cima e perguntou: “E agora, eu acertei? Está bem assim?”.  Sociedade nossa cara
A outra lenda diz que a árvore reinava sobre toda a África, mas o baobá era tão soberbo que os deuses se enfureceram e as colocaram de cabeça para baixo como castigo. A lenda diz, ainda, que aqueles que comerem seus frutos serão amaldiçoados com a morte pela boca de um leão. Pensamento Verde
Uma antiga lenda africana, diz que se um morto for sepultado dentro de um baobá, sua alma irá viver enquanto a planta existir. ARTEANDO
Antes da chegada do homem branco uma phyton adorada pelos nativos vivia dentro do tronco oco da mesma. Os nativos pediam a serpente por chuva, boas colheitas e boas caças e sempre eram atendidos. O primeiro caçador branco na África matou a phyton e as conseqüências foram desastrosas. Até hoje os nativos dizem ouvir durante as noites o sibilar da cobra perto da árvore.
Aula sobre o baobá - Edna dos Santos. SlideShare
Aula sobre o baobá – Edna dos Santos. SlideShare
No Parque Nacional Kafue na Zâmbia a lenda diz que a Baobab é raptora de donzelas. Reza a lenda que a árvore se apaixonou por quatro lindas virgens que se deitavam a sua sombra. As moças cresceram e se casaram. A árvore enfurecida de ciúmes durante uma noite de tempestade abriu se tronco e levou as quatro moças para dentro. Até hoje os nativos dizem que a água das chuvas sã as lágrimas das donzelas raptadas.
A Baobab reinava sobre as outras árvores com soberba, o que causou a ira dos Deuses que como castigo a deixaram para sempre de ponta cabeça com as raízes para cima. Todos que colhem suas lindas e doces flores brancas também serão amaldiçoados com uma morte terrível: assassinados por um leão. Quatro Cantos do Mundo – Eder & Fabi Rezende
Os sobas dizem que os embondeiros já nascem velhos e talvez tenham razão. No meio da savana contemplam o mundo com o vagar da experiência, económicos em gestos: nem sequer se agitam ao vento.  – O Berço do Mundo

Postagens mais visitadas