OUTUBRO ROSA

O câncer de mama é segundo tipo que mais acomete brasileiras, representando em torno de 25% de todos os cânceres que afetam o sexo feminino. Para o Brasil, foram estimados 59.700 casos novos de câncer de mama em 2019, com risco estimado de 56 casos a cada 100 mil mulheres.
Os principais sinais e sintomas da doença são: caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).
A prática de atividade física e de alimentação saudável, com manutenção do peso corporal adequado, estão associadas a menor risco de desenvolver câncer de mama: cerca de 30% dos casos podem ser evitados quando são adotados esses hábitos. A amamentação também é considerada um fator protetor. Mulheres de 50 a 69 anos devem fazer mamografia de rastreamento a cada dois anos. Esse exame pode ajudar a identificar o câncer antes de a pessoa ter sintomas. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA)
 “Cada corpo tem uma história. O cuidado com as mamas faz parte dela”
É o câncer mais comum entre as mulheres brasileiras, sem contar com os casos de câncer de pele não melanoma, e o segundo tipo mais frequente na população mundial. No Brasil, são esperados 57.960 novos casos em 2016, com um risco estimado de aproximadamente 56 ocorrências a cada 100 mil mulheres. Estima-se que, para cada 100 mulheres com câncer de mama, apenas um homem terá a doença. Fundação do Câncer

Comentários

Postagens mais visitadas