Iniciativas Solidárias frente ao Surto do Coronavírus

Entre as iniciativas estão doação em dinheiro para fundos ligados ao Sistema Único de Saúde, compra de equipamentos, suprimentos básicos, testes rápido, cestas básicas, álcool gel e outros itens de higiene básica. Também há uma frente de apoio financeiro a clientes de bancos e fintechs – caso do Nubank, que separou R$ 20 milhões para ajudar o cliente a lidar com a crise, em atendimento médico e psicológico remoto via vídeo (“teleorientação”), pedidos de supermercados e farmácias, entre outros serviços, durante a pandemia. Pablo Santana - Infomoney

Para ajudar nas arrecadações, o governo federal lançou no último domingo (22) a plataforma “Todos por Todos”, em que empresas, entidades, associações e órgãos públicos poderão oferecer serviços e produtos gratuitamente para o enfrentamento ao novo coronavírus. O governo de São Paulo, estado com mais casos da doença no Brasil, também criou um site para facilitar as doações no combate à Covid-19.

O dinheiro será utilizado para compra de equipamentos e criação de novos leitos a partir das montagens de hospital de campanhas, que estão sendo construído nas cidades de São Paulo e Campinas, para as construções das unidades de campanha em São Paulo, a Gerdau e a Ambev estão auxiliando a Prefeitura municipal e o Hospital Israelita Albert Einstein. O centro de tratamento será construído anexo ao Hospital Municipal M’Boi Mirim, na zona sul de São Paulo e contará com 100 leitos.

A Amend, Avon, Natura, São Martinho, União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Diageo, Pernod Ricard, Ype e Weg anunciaram que vão produzir álcool gel e distribuir em estados como São Paulo, Bahia, Ceará, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina.

A Marfrig doará R$ 7,5 milhões ao Ministério da Saúde para compra de testes rápidos. Segundo a empresa, a doação é suficiente para a compra de 100 mil testes, a família Menin fará doação de R$ 10 milhões, fruto de uma ação em parceria com o Governo de Minas Gerais e a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), a quantia será usada para a compra de respiradores mecânicos para a rede hospitalar do estado.

As empresas Klabin, Suzano, Positivo, MagnaMed Tecnologia Médica e Flex se uniram numa força tarefa para produção de 5 mil ventiladores pulmonares para serem entregue em 30 dias.

A Petrobras também informou que encomendou, nos Estados Unidos, 600 mil testes para diagnóstico da doença, que devem chegar ao Brasil em abril. De acordo com a empresa, 400 mil unidades serão entregues ao Ministério da Saúde e 200 mil à Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. A mineradora Vale também comprou testes rápidos para detectar a Covid-19. A empresa também está comprando de fornecedores chineses equipamentos de proteção individual, como óculos, luvas e máscaras, para médicos e enfermeiros. A empresa do setor energético EDP anunciou a doação de R$ 6 milhões para a compra de 345 respiradores para UTIs da rede pública de São Paulo.

A Hering anunciou, nesta quarta-feira (25), através de suas redes sociais, a produção de uniformes de proteção para os profissionais da saúde e doação dessas peças para diversos hospitais. O Grupo Arezzo anunciou que irá produzir e doar 25 mil máscaras de proteção, destinadas para a região do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul.

O Magazine Luiza doou respiradores e monitores cardíacos para a Santa Casa de Franca, hospital Emílio Ribas e unidade do SUS na Vila Guilherme, segundo a empresa, está em andamento a doação de outros 30 respiradores ao Estado de São Paulo, ainda doou cerca de 1.000 colchões e 1.000 travesseiros ao estado do Pará que montou um abrigo no estádio do Mangueirão para tirar moradores de rua do ambiente de risco.

A Fundação Casas Bahia, controlada pela Via Varejo, anunciou investimentos de R$ 1 milhão em iniciativas em regiões periféricas, além de fornecer EPIs, como máscaras e luvas para as instituições de acolhimento a idosos em São Caetano do Sul, no ABC Paulista.

As Lojas Renner, anunciou através do seu instituto social, a doação de R$ 4,1 milhões para compra de insumos para hospitais responsáveis por unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. O McDonald’s iniciou, no último fim de semana, a doação de refeições para profissionais de saúde no estado de São Paulo.

Os cinco maiores bancos em operação no país se comprometeram a prorrogar dívidas dos seus clientes por, no mínimo, 60 dias – além de anunciar diversas outras ações como atendimento especial, aumento de limites e reduções de taxas para empréstimos. Outra força tarefa firmada entre os três maiores bancos privados do país (Bradesco, Itaú Unibanco e Santander) irá doar para o Sistema Único de Saúde 5 milhões de testes rápidos, além de tomógrafos e respiradores para auxiliar no tratamento da doença. O Itaú ainda doou mais R$ 150 milhões para infraestrutura hospitalar, compra de cestas de alimentação e kits de higiene, através da Fundação Itaú para Educação e Cultura e do Instituto Unibanco.

A XP Inc. lançou a plataforma “Juntos Transformamos” para reunir doações visando à compra de cestas básicas, que serão repassadas para famílias em situação de vulnerabilidade social, e doou R$ 25 milhões para compra dos insumos, que devem ajudar 100 mil famílias e serão distribuídas, inicialmente, com o auxílio das ONGs Gerando Falcões, Amigos do Bem e Visão Mundial.

No setor aéreo, Gol e Latam também estão transportando profissionais de saúde de graça, cobrando apenas a taxa de embarque. A Volkswagen do Brasil colocou à disposição dos governos de São Paulo e do Paraná, uma frota de 100 automóveis e picapes para serem utilizados em atividades de logística e transporte. 

“Enquanto uns choram, outros vendem lenços”. Algumas empresas e pessoas podem estar se beneficiando da preocupação do povo, para garantir um faturamento um pouco maior, contudo, devemos notar principalmente as atitudes sinceras em tempos de crise que desencadearam uma série de outras iniciativas. Daniel Porcides - AAA Inovação

Pequenas, médias e grandes empresas que disponibilizaram de seus serviços como incentivo ou canal de impacto, buscando auxiliar no combate ao coronavírus. Seja para o compartilhamento de informações ou para a oferta de praticidade e segurança, elas nos ajudaram a manter a união em tempos de crise.

A Google disponibilizou acesso sem custo para sua plataforma de videoconferência. Buscando incentivar a utilização de Home Office (trabalhar sem sair de casa) e oferecer suporte para empresas que decidiram enviar colaboradores para suas residências, diminuindo possível contato com o vírus, a iniciativa da Google também possibilitou que alunos de Hong Kong e Vietnã pudessem continuar seus estudos, também anunciou estar produzindo um site informativo sobre o surto do coronavírus em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC). O objetivo da campanha Do The Five é oferecer acesso rápido sobre dicas para o combate ao vírus e agilidade no acesso à informações urgentes, replicando propagandas no Google Search, Maps e na plataforma de vídeos YouTube.

A startup brasileira iFood anunciou estar preparada para casos onde entregadores do serviço apresentassem sintomas do vírus, como o anúncio feito pelo diretor financeiro da empresa, o fundo reservado estaria disponível para colaboradores que apresentassem resultados positivos para a pneumonia, via telemedicina. Disponibilizando as opções de auxílio com alimentos ou financeiro, a startup se colocou à disposição de infectados por 14 dias, assumindo a responsabilidade dos riscos que seu serviço poderia oferecer.

A Itália recebeu acesso gratuito ao site de conteúdo adulto Pornhub, a empresa informou que o serviço é um incentivo para que pessoas respeitassem a quarentena anunciada pelo governo italiano, buscando mostrar a seriedade de sua atitude, também informou estar direcionando seu lucro do mês de Março para a Itália, oferecendo um fundo de emergência para combater o coronavírus no país.

O co-fundador da gigante chinesa Alibaba anunciou a doação de 500 mil testes para o país norte-americano, disponibilizando também um milhão de máscaras para os Estados Unidos, Jack Ma já havia apresentado apoio para outros países, no começo de março, o homem mais rico da China também enviou quase dois milhões de máscaras para a Europa e 100 mil testes para reduzir os impactos do surto do coronvírus. Outros dois milhões de acessórios de proteção foram enviados para Japão e Irã, um dos países mais afetados pela pandemia.

A Escola Nacional de Administração Pública (Enap) ofereceu curso gratuito referente ao coronavírus, com instruções e esclarecimentos sobre o COVID-19, o curso inclui ensino de métodos para identificação de surtos respiratórias de pacientes, comunicação de risco e resposta para envolvimento comunitário, uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde e as inscrições estão disponíveis na página da Escola Virtual.

A BYD anunciou ter transformado uma de suas fábricas de veículos em produtora de máscaras de saúde, com uma capacidade de produção de 5 milhões de novos produtos por dia, à preço de custo para o governo chinês, que em fevereiro autorizou a empresa na conversão de uma das fábricas, para produção de máscaras e gel antisséptico, com um custo de US$0,35 por máscara, a BYD anunciou estar produzindo 24 horas por dia, com uma relação diária de 300 mil novas garrafas de gel e um novo planejamento de exportação.

A startup curitibana Hi Technologies anunciou ter desenvolvido um teste rápido para coronavírus que apresenta resultado em aproximadamente 10 minutos, um dispositivo laboratorial chamando Hilab, que necessita de apenas algumas gotas de sangue para apresentar resultados de doenças como HIV, dengue, zika, hepatite e colesterol, estar também preparando uma opção para empresas, oferecendo uma alternativa rápida para a prevenção da pandemia e maior tranquilidade de gestores e colaboradores.

Agência subordinada da Organização das Nações Unidas (ONU), a Organização Mundial da Saúde recebeu acesso vitalício e gratuito ao espaço de propagandas pagas do Facebook. Após pronunciamento do fundador da rede social, Mark Zuckerberg, a organização pôde utilizar todos os formatos de Ads(advertisements, ou em português, propagandas) para impactar usuários do Facebook através de acesso ilimitado, com alto impacto para divulgar informações de prevenção, notícias e pronunciamentos oficiais, a OMS começou também a utilizar o recurso para combater Fake News. Com a atitude do Facebook, a agência foi capaz de reduzir os riscos de pânico e informações tendenciosas, através de um recurso tecnológico.

O Facebook quer ajudar as pequenas empresas a criar e divulgar esses cupons, consumidores podem adquirir serviços com descontos, pagando agora e usufruindo apenas quando os negócios puderem voltar a abrir as portas. Comércios como restaurantes e salões de beleza poderão montar os cupons em posts e stories nas redes sociais Facebook e Instagram. A compra dos cupons será redirecionada a sites de parceiros. PEGN

















Comentários

Postagens mais visitadas